SEMANA DA SAÚDE MENTAL: Saúde Mental Infantojuvenil

Tempo de leitura: 6 minutos

Saúde Mental Infantojuvenil

A saúde mental infantojuvenil é tema de interesse de diversas áreas do conhecimento, porque suas repercussões interferem no desenvolvimento global da criança e do adolescente, em razão de os diferentes transtornos poderem comprometer os processos psicológicos, incidindo sobre a aprendizagem, o desenvolvimento motor, as relações intra e interpessoais etc.

Você sabia?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a prevalência mundial dos transtornos mentais na infância e na adolescência pode chegar a 20%, isto é, a cada 10 diagnósticos, 02 são infantojuvenis.

Já parou para pensar que adultos com transtornos mentais podem ter manifestado sinais e sintomas na fase infantil, sem que tenham sido claramente detectados, sob a justificativa de que estavam transitando pela fase?

Estudos científicos relacionam o estado de saúde mental da criança ao desenvolvimento infantil em suas diferentes nuances. Os caminhos do conhecimento convergem para o entendimento de que as dificuldades emocionais e comportamentais na primeira infância nem sempre são fases transitórias do desenvolvimento normal e podem representar risco para a saúde psíquica do indivíduo.

Desta forma, com a falta de diagnóstico precoce e acompanhamento adequado, os impactos serão estendidos para a fase adulta, prolongando o sofrimento psíquico do indivíduo, dos seus familiares e comunidade, posto que suas consequências atingem níveis coletivos, a exemplo da evasão escolar, da dependência química, delinquência, suicídio,  dentre outros.

Alguns fatores de risco sobre a saúde mental das crianças e adolescentes…

Dentre a diversidade dos fatores estão: hereditários, nutricionais, saúde mental dos responsáveis, famílias disfuncionais, vulnerabilidade socioeconômica, gestação precoce, abuso de substâncias psicoativas, desastres naturais, violência, negligência, ruptura em relacionamentos, privação afetiva, conflitos familiares.

Transtornos que podem ocorrer no desenvolvimento da criança:

Transtornos de Ansiedade na Infância: caracteriza-se por tensão ou desconforto, medos duradouros e desproporcionais à situação vivida pela criança.

Transtorno da Ansiedade de Separação: refere-se à ansiedade não apropriada e demasiada em relação à separação do lar, pais, responsáveis e/ou cuidadores. Os comportamentos típicos incluem apego excessivo e recusa escolar. Pode haver manifestações somáticas como dor de cabeça, vômitos, tonturas etc.

Transtornos da aprendizagem, das habilidades motoras e da comunicação (linguagem): dificuldades na leitura, no raciocínio lógico-matemático ou nas habilidades de escrita.

Transtorno do déficit de atenção-hiperatividade: dificuldade para manter atenção focal, organizar e realizar atividades; inquietude, impulsividade, dificuldade em permanecer em silêncio; esquecimento

Transtornos do Comportamento Disruptivo: referem-se aos transtornos de oposição e desafio e o transtorno de conduta, caracterizados pelo padrão repetitivo, persistente e grave de comportamento agressivo, desafiador, hostil, dentre outros.

Transtornos Depressivos na Infância: os sintomas são diferentes da depressão adulta. Podem manifestar-se por meio da hiperatividade, do isolamento, autoagressão, insônia, enurese, encoprese, baixa autoestima, irritabilidade.

Transtornos Globais do Desenvolvimento (Autismo Infantil): anormalidades nas interações sociais recíprocas, desde o contato visual à fala, nos padrões de comunicação estereotipados e repetitivos, além de os restritos interesses e atividades da criança.

Outras formas de transtornos globais do desenvolvimento são: Autismo atípico, Síndrome de Rett, Transtorno desintegrativo da infância, Síndrome de Asperger.

Transtornos de Tique: caracterizados pela produção vocal ou movimento motor involuntário, rápido, repetido e não rítmico, sem motivo aparente.

Transtornos da Excreção: caracterizada por eliminação anormal e frequente de urina (enurese) e fezes (encoprese) de dia e/ou à noite, sem patologia orgânica. A enurese pode estar presente desde o nascimento ou pode surgir seguindo-se a um período de controle vesical adquirido.

Fobias específicas: medo excessivo e recorrente, relacionado a um determinado objeto ou situação, levando a criança ao desespero e a reações disfuncionais.

Fobia social: medo excessivo e recorrente de passar por situações em que pense estar sendo avaliada por outras pessoas, evitando a presença destas.

Diagnóstico e Tratamento:

Para o diagnostico de um transtorno mental deve-se considerar diversos aspectos da vida do indivíduo, para além das descrições indicadas pelo DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), bem como se a “anormalidade” vivenciada por ele é recorrente e se ocasiona o sofrimento psíquico e seu desenvolvimento pessoal nas diversas áreas da sua vida.

Os tratamentos são diversos e dependem de cada caso, podendo envolver psicoterapia e intervenção medicamentosa.

Fique por dentro!

Apesar de não constar como um transtorno mental, no DSM, a Síndrome da Alienação Parental (SAP) tem sido cobrada nas provas de concurso público para psicólogo. Veja um breve conceito abaixo e acerte na prova:

Terminologia proposta por Richard Gardner no início dos anos 80, que define a situação em que um dos pais de uma criança ou adolescente a treina para romper laços afetivos com o outro cônjuge, criando fortes sentimentos de ansiedade e temor em relação ao outro genitor, incorrendo em repercussões psíquicas para essas crianças e adolescentes. Para lidar com esta questão na área judicial, em 2010 foi sancionada uma Lei Federal, 12.318/2010, que prevê medidas aos pais que tiverem este tipo de comportamento.   

 

Gostou deste texto? Compartilhe conhecimento e acompanhe nossas publicações.

 

Edla Psi
Assistente Editorial | Concursos PSI
Graduada em Psicologia | UNEB

 

Referências:FONTES

           

2 Comentários

  1. Gratia Cynthia Maia Porto

    Gostei muito do artigo. 

    Sintético e esclarecedor. 

     

    Responder
  2. Patricia Machado

    Bom dia um assunto muito interessante, eu concordo plenamente as vezes por inoscencia dos pais acabam descobrindo muito tardias aguns transtorno que poderia ser evitado ou controlado quando descoberto desde cedo. Na minha opinião são assuntos que deveria ser falado abertamento, pois os transtornos estão ai e não escolhe raça, classe social, poderia até evitar as descriminação que ainda tem nos dias de hoje. A Falta de pessoas qualificada acaba prejudicando também principalmente nas escolas existe uma lei conhecida como inclusão que só está no papel pois e dificil ter profisionais qualificado principalmente em escola publica  como mostra no artigo que a cada dez diagnostico dois e infantojuvenis, tem que se ter uma união entre a familia e profissionais e se unir num proposito só.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *